matei1_ATTILA KISBENEDEKAFP via Getty Images_hungary student protest Attila Kisbenedek/AFP via Getty Images

A crise de liberdade académica do Ocidente

VIENA – Paira sobre a Europa uma crise de liberdade académica. Normalmente, quando a liberdade académica é ameaçada no Ocidente, as pessoas assumem que seja uma questão marginal e confinada a países como a Hungria, que se têm tornado cada vez mais autoritários. Mas uma reflexão honesta mostraria que o problema está muito mais generalizado do que os europeus e americanos gostariam de admitir.

Sim, as coisas estão más na Hungria do primeiro-ministro Viktor Orbán, um país da União Europeia onde foram eliminadas as protecções constitucionais da liberdade académica, os estudos de género viram negada a acreditação para curso académico, e um antigo coronel do exército foi nomeado reitor da Universidade de Teatro e Artes Cinematográficas de Budapeste. Mas veja-se a França, onde Frédérique Vidal, a ministra do ensino superior, investigação e inovação, acusou as universidades do país de promoverem o “Islamo-gauchisme” (Islamo-esquerdismo) e deu início a uma investigação sobre toda a área académica dos estudos pós-coloniais.

E a ameaça não está confinada à UE. Tanto no Reino Unido como nos Estados Unidos, que desde há muito representam o padrão de excelência para a liberdade académica, os legisladores parecem querer juntar-se às fileiras do regime iliberal da Hungria. Nos EUA, as legislaturas estaduais controladas pelos Republicanos estão a elaborar leis para impedir que a “teoria crítica da raça” e outros domínios académicos sejam ensinados nas escolas públicas.

We hope you're enjoying Project Syndicate.

To continue reading, subscribe now.

Subscribe

or

Register for FREE to access two premium articles per month.

Register

https://prosyn.org/VcI32Ljpt