rogoff202_ Peter MacdiarmidGetty Images_tunnel digger Peter Macdiarmid/Getty Images

O desafio dos gastos com infraestrutura

CAMBRIDGE – Notícias encorajadoras sobre tratamentos antivirais mais eficazes e promissoras vacinas estão alimentando o cauteloso otimismo de que, pelo menos, os países ricos poderiam controlar a pandemia do COVID-19 até o final de 2021. Por enquanto, porém, uma segunda e brutal onda se espalha pelo mundo, o auxílio amplo e robusto continua sendo essencial. Os governos deveriam permitir que a dívida pública aumentasse ainda mais para mitigar a catástrofe, mesmo que haja custos de longo prazo. Mas de onde virá o novo crescimento, que continua morno nas economias avançadas antes da pandemia?

Macroeconomistas de todos os matizes concordam plenamente que os gastos com infraestrutura produtiva são bem-vindos após uma recessão profunda. Há muito compartilho dessa visão, pelo menos para projetos verdadeiramente produtivos. No entanto, os gastos com infraestrutura nas economias avançadas vêm diminuindo de maneira intermitente há décadas. (A China, que está em um estágio muito diferente de desenvolvimento, é claro que é completamente outra história.) Os Estados Unidos, por exemplo, gastaram apenas 2,3% do PIB (US$ 441 bilhões) em infraestrutura de transporte e saneamento em 2017, uma parcela menor do que em qualquer outro momento desde meados da década de 1950 .

Talvez essa relutância em assumir o investimento em infraestrutura esteja prestes a desaparecer. O presidente eleito dos EUA, Joe Biden, prometeu torná-la uma prioridade, com forte ênfase na sustentabilidade e no combate às mudanças climáticas. O pacote de estímulo proposto pela União Europeia de €1.8 trilhão (US $ 2.2 trilhões) – que compreende o novo orçamento de €1.15 trilhão de sete anos e o fundo de recuperação da próxima geração da UE de €750 bilhões – tem um importante componente de infraestrutura, beneficiando particularmente os economicamente mais fracos estados membros do sul. E o chanceler do Tesouro do Reino Unido, Rishi Sunak, estabeleceu uma ambiciosa iniciativa de infraestrutura de £100 bilhões (US$ 133 bilhões), incluindo o estabelecimento de um novo banco nacional de infraestrutura.

To continue reading, register now.

As a registered user, you can enjoy more PS content every month – for free.

Register

or

Subscribe now for unlimited access to everything PS has to offer.

https://prosyn.org/Ugn7V0bpt