wojnar1_ MARCO LONGARIAFP via Getty Images_mozambique woman Marco Longari/AFP via Getty Images

Crises e contracepção

MAPUTO – Na província moçambicana de Cabo Delgado, eclodiu uma tempestade perfeita de conflitos, ciclones, COVID-19 e cólera, que criou uma crise humanitária grave e crescente. As estimativas de Setembro mostram que foram desalojados mais de 250 000 habitantes, de um total de 2,5 milhões de pessoas (10% da população total da província). Mais de metade das crianças com menos de cinco anos sofrem de subnutrição crónica. E a província de Cabo Delgado registou em Outubro o terceiro maior número de casos de COVID-19 do país.

Enquanto as organizações humanitárias se esforçam para distribuir alimentos, água e abrigos adequados, tudo isto durante uma pandemia, a distribuição de preservativos e de outros meios contraceptivos parece ser de importância secundária. Mas a incapacidade de garantir o acesso a ferramentas de planeamento familiar não só piorará a crise actual, como impedirá que Moçambique cumpra futuramente o seu potencial.

Mesmo antes da crise actual, as mulheres e raparigas de Cabo Delgado já eram altamente vulneráveis, devido a factores como a pobreza ou normas sociais profundamente patriarcais. Estas normas, e a violência de género (VG) que promovem, inibem a sua capacidade de acção e os seus direitos, e podem ameaçar directamente o acesso a contraceptivos e a sua utilização.

We hope you're enjoying Project Syndicate.

To continue reading and receive unfettered access to all content, subscribe now.

Subscribe

or

Unlock additional commentaries for FREE by registering.

Register

https://prosyn.org/09FHRUrpt