fofack2_Gideon MendelCorbis via Getty Images_africa trade Gideon Mendel/Corbis via Getty Images

A revolução comercial de África precisa de paz

CAIRO – A Zona de Comércio Livre Continental Africana (AfCFTA), que entrou em funcionamento em Janeiro, pode ser decisiva para ajudar a retirar o continente da pobreza e a colocá-lo no caminho da prosperidade de longo prazo. A AfCFTA tem potencial para acelerar e alterar a composição do investimento directo estrangeiro em África, diversificando desse modo as fontes para o crescimento do continente e impulsionando o seu comércio interno e externo. E fundir os mercados relativamente pequenos de África num dos maiores do mundo permitirá aos investidores tirarem partido de maiores economias de escala.

Mas África arrisca desperdiçar esta enorme oportunidade, a menos que os seus líderes possam contrariar a indesejável reputação do continente como uma das regiões do mundo mais propensas a conflitos. Segundo o Banco Mundial, nove países africanos sofrem actualmente de elevada fragilidade institucional e social; 12 estão envolvidos em conflitos de intensidade média ou elevada. Não surpreende por isso que o número de mortes na região relacionadas com conflitos tenha aumentado, de 2 200 em 2010 para uma média de 14 000 por ano desde 2014. As redes transnacionais de terroristas intensificaram recentemente o problema.

Além de causarem mortes prematuras e sofrimento, e de destruírem infra-estruturas, os conflitos impedem a actividade económica e comprometem o comércio transfronteiriço formal e informal. O comércio informal entre o Mali e a Argélia, por exemplo, caiu mais de 64% desde 2011, principalmente devido ao conflito no norte do Mali e ao encerramento da fronteira entre os dois países.

We hope you're enjoying Project Syndicate.

To continue reading, subscribe now.

Subscribe

or

Register for FREE to access two premium articles per month.

Register

https://prosyn.org/usYUnYbpt