wagner14_anand purohitGetty Images_sustainabilityfinance anand purohit/Getty Images

Quem paga pelas mudanças climáticas?

SHARM EL-SHEIKH –  Se há uma questão que ocupou o centro das atenções na Conferência das Nações Unidas sobre Mudança Climática (COP27) é o dinheiro. Delegados, ativistas climáticos e o crescente número de participantes do setor privado estão discutindo quem deve pagar pelas mudanças climáticas e de que modo.

O foco no dinheiro está atrasado. Embora as negociações climáticas anuais sejam, em última análise, sobre a redução da poluição por gases de efeito estufa, a transição para uma economia  net zero requer financiamento maciço, assim como a adaptação a um mundo de aumento das temperaturas médias e do nível do mar, clima extremo cada vez mais frequente e severo e todas os outros efeitos dispendiosos da queima de combustíveis fósseis.

Desde a COP15 em Copenhague em 2009, uma figura-chave neste debate tem sido “US$ 100 bilhões”. Esse é o valor que as economias avançadas do mundo prometeram fornecer aos países em desenvolvimento todos os anos até 2020. Mas nunca ficou claro se essa meta se referia apenas ao dinheiro público ou se poderia incluir uma mistura de fluxos públicos e privados. Enquanto a maior parte do Sul Global interpretou isso como um compromisso de fundos públicos, a maior parte do Norte Global preferiu a definição mais ampla. Se alguém adotar a última visão, o mundo rico já estava a caminho de fornecer US$ 97 bilhões em fluxos anuais de financiamento climático em 2011, de acordo com um estudo amplamente citado da Climate Policy Initiative.

No entanto, 13 anos depois do compromisso de 2009, poucos cometeriam o erro de misturar financiamento público e privado, enquanto todos reconhecem que a transição energética global exigirá não bilhões, mas trilhões de dólares por ano. Antes das negociações da COP26 em Glasgow no ano passado, Mark Carney, enviado especial da ONU para  ação climática e finanças, concluiu que pelo menos US$ 100 trilhões em financiamento externo seriam “necessários para o impulso de energia sustentável nas próximas três décadas, se for para seja eficaz." E há considerável convergência entre organismos internacionais , consultorias e bancos .em torno deste número. Quantidades maciças de gastos privados precisarão ser desviadas dos investimentos em combustíveis fósseis e voltadas para infraestrutura, energia e transporte de baixo carbono.

Mas isso não isenta os governos. Os fundos públicos são a alavanca para redirecionar o dinheiro privado ao ritmo e à escala necessários. A Lei de Redução da Inflação, a Lei de Infraestrutura Bipartidária e a Lei CHIPS e Ciência que os Estados Unidos promulgaram recentemente são bons exemplos dessa alavanca em ação. A ideia é que cerca de US$ 500 bilhões em investimentos do governo estimularão muitas centenas de bilhões a mais em fluxos privados. No entanto, embora essas quantias (e políticas semelhantes em outros lugares) possam impulsionar uma corrida global para a energia limpa, todos os investimentos públicos e a maior parte dos privados serão gastos internamente. Isso deixa o Sul Global ainda em desvantagem.

A imagem global se encaixa em um padrão semelhante. Como o investimento estrangeiro anual direto supera a ajuda ao desenvolvimento, grande parte do dinheiro para reduzir a emissão de dióxido de carbono, metano e outros gases do efeito estufa virá de fontes privadas, independentemente do que os governos concordem em fazer. Desbloquear esses fundos exigirá o que os negociadores climáticos chamam de soluções “criativas”, o que significa: “Sabemos que é necessário muito mais dinheiro, mas não seremos nós a fornecê-lo”.

WINTER SALE: Save 25% on a new PS subscription
PS_Winter-Sale_1333x1000_Onsite-2

WINTER SALE: Save 25% on a new PS subscription

For a limited time, you can gain greater access to Project Syndicate – including every commentary and our entire On Point suite of subscriber-exclusive content – starting at less than $6 per month.

Subscribe Now

Assim, John Kerry, o enviado climático dos EUA, veio à COP27 com uma proposta de usar créditos de carbono para preencher pelo menos parte da lacuna de financiamento. Sob essa abordagem, os países ricos e empresas obteriam algum crédito não apenas por reduzir sua própria poluição, mas por pagar outros para fazê-lo.

A ideia não é nova. Os EUA propuseram um sistema semelhante antes da COP3 em Kyoto em 1997. Na época, grande parte do resto do mundo, incluindo a União Europeia, se opôs ao plano. No entanto, ironicamente, a UE agora tem o maior mercado de carbono do mundo, enquanto os EUA, além da Califórnia e uma dúzia de estados do nordeste, não. Até hoje, ainda é politicamente impossível em nível nacional fazer com que os poluidores paguem por sua poluição de carbono. É por isso que o governo do presidente Joe Biden se concentrou em gastar dinheiro para ajudar na transição energética doméstica, e é por isso que Kerry está propondo um sistema voluntário de crédito de carbono.

Os créditos de carbono, especialmente os voluntários, não substituem os importantes esforços de empresas e países para reduzir a própria poluição. Por um lado, os sistemas de crédito de carbono têm muitos problemas próprios. Embora o mercado de carbono da Califórnia negocie bilhões de créditos por ano, ele também permitiu cerca de US$ 400 milhões em compensações florestais aparentemente fraudulentas em seu sistema. Se o mercado obrigatório da Califórnia luta tanto com o cumprimento das leis, imaginem-se os problemas que afligiriam um sistema global voluntário.

Os Estados Unidos e outros grandes poluidores ricos ainda têm a responsabilidade de desembolsar ajuda direta em uma escala muito maior do que estão fazendo atualmente. Isso vale tanto para a ajuda incondicional para ajudar os pobres, quanto para o financiamento para ajudá-los a reduzir sua própria poluição. A Alemanha e a Áustria merecem o crédito por liderar a campanha com promessas de € 170 milhões (US$ 175 milhões) e € 50 milhões, respectivamente, em ajuda aos países mais vulneráveis. E um novo compromisso dos EUA, da UE e da Alemanha de investir US$ 500 milhões em energias renováveis ​​no Egito é um bom passo (mesmo que o gás assim liberado pareça ser destinado à exportação para a UE). Mas uma vez que todas essas somas caem na casa dos milhões, elas ainda erram o alvo por ordens de magnitude.

Claramente, existe algo na ideia de atrelar bilhões em fluxos de ajuda tão necessários a fluxos financeiros privados na casa dos trilhões. A primeira ordem do dia é que os governos ajudem a direcionar trilhões em investimentos privados para o Sul Global. As soluções “criativas” deveriam se concentrar em tornar os empréstimos e investimentos menos arriscados para investidores privados, com governos ricos e fundos multilaterais fornecendo garantias de empréstimos e outras garantias para ajudar a reduzir crédito soberano e outros riscos.

Os créditos de carbono também poderiam desempenhar importante papel em ajudar a aumentar os investimentos extremamente necessários, desde que os créditos voluntários de carbono sejam vistos apenas como um trampolim para fazer os poluidores pagarem para reduzir a própria poluição. Em última análise, criar mais impulso por trás da revolução global de energia limpa é o que realmente importa. Se permitir que empresas ricas se vangloriem de suas credenciais verdes signifiquem que elas financiarão mais energia limpa no Sul Global, isso não é uma coisa ruim. Muitas vezes, a melhor maneira de garantir que o trabalho necessário seja feito é não se importar muito com quem fica com o crédito.

Tradução de Anna Maria Dalle Luche, Brazil

https://prosyn.org/riwzvSLpt