spence165_Frédéric SoltanCorbis via Getty Images_indiaeducation Frédéric Soltan/Corbis via Getty Images

Ação para o planeta e para as pessoas depende do crescimento

MILÃO –  Com a 78ª sessão da Assembleia Geral das Nações Unidas e A Semana do Clima de Nova York prestes a começar, bem como a próxima Conferência das Nações Unidas sobre Alterações Climáticas (COP28) se aproximando rapidamente, é imperativo que o mundo esclareça a relação entre crescimento econômico e sustentabilidade ambiental. Longe de serem mutuamente exclusivos, o primeiro é um pré-requisito para o segundo: o dinamismo econômico e a melhoria dos padrões de vida são vitais tanto para financiar a ação climática como para garantir o adequado apoio da opinião pública.

Felizmente, isto é agora amplamente compreendido. Em junho, líderes de algumas das maiores economias do mundo – incluindo o Brasil, a União Europeia, os Estados Unidos, o Japão e a África do Sul – emitiram uma declaração conjunta descrevendo a redução da pobreza e a proteção do planeta como objetivos “convergentes”. Da mesma forma, a declaração divulgada após a recém-concluída cúpula do G20 em Nova Delhi afirmou que “nenhum país deveria ter de escolher entre combater a pobreza e lutar pelo nosso planeta”.

Uma recente pesquisa do McKinsey Global Institute (MGI)  atribui números a esses objetivos duplos, com resultados preocupantes. Comecemos pelo custo da ação para proteger o planeta. Os gastos adicionais cumulativos em tecnologias e infraestruturas de baixas emissões, necessários para zerar o déficit de investimento net-zero até 2030, custariam US$ 41 trilhões, ou o equivalente a 4% do PIB global anualmente.

Satisfazer estas necessidades de investimento e alcançar a transição para emissões líquidas zero exigirá amplo apoio e participação pública.  Uma vez que as pessoas que vivem na pobreza têm menos probabilidades de apoiar a ação climática, especialmente se sentirem que lhes é oferecida menor prioridade às suas necessidades, esforços simultâneos são essenciais para melhorar os padrões de vida.

Não se trata apenas de elevar mais famílias acima do limiar de pobreza extrema do Banco Mundial (2,15 dólares por dia em paridade ao poder de compra). Para alcançar o desenvolvimento sustentável, temos de superar uma barreira mais elevada, que a MGI caracteriza como a “linha de empoderamento”.

A localização exata da linha de empoderamento varia de país para país, refletindo as diferenças de custo de vida. Mas o significado é sempre o mesmo. É o limiar além do qual as famílias têm meios suficientes para satisfazer todas as suas necessidades básicas – tais como nutrição, habitação digna, cuidados de saúde e educação de qualidade – e para trabalhar em prol da segurança econômica. Sem a capacidade de poupar, as famílias não podem constituir uma proteção contra os choques, incluindo os criados pelas alterações climáticas.

Secure your copy of PS Quarterly: Age of Extremes
PS_Quarterly_Q2-24_1333x1000_No-Text

Secure your copy of PS Quarterly: Age of Extremes

The newest issue of our magazine, PS Quarterly: Age of Extremes, is here. To gain digital access to all of the magazine’s content, and receive your print copy, subscribe to PS Premium now.

Subscribe Now

Em nível mundial, cerca de 4.7 bilhões de pessoas não se qualificam como plenamente capacitadas economicamente, com cerca de 40% desta população residindo na Índia e na África Subsaariana, embora o elevado crescimento da Índia, se sustentado, seja capaz de reduzir esse número. Além disso, muitos países de rendimentos médios e elevados que parecem ter alcançado estilos de vida de “classe média” carecem de uma proteção adequada contra emergências e choques, e lutam para pagar habitação e cuidados com saúde. Embora possam não se qualificar formalmente como “pobres”, não conseguem concretizar todo o seu potencial e podem correr o risco de cair na pobreza.

Fechar a “lacuna de capacitação” até 2030 exigiria que o mundo aumentasse o consumo cumulativo destes 4.7 bilhões de pessoas em US$ 27 trilhões – cerca de 4% do PIB anualmente. (As especificidades variam consideravelmente por região.) Juntamente com os 41 trilhões de dólares para fechar o déficit de investimento net-zero estamos falando de cerca de 8% do PIB todos os anos até 2030.

A escala do desafio é assustadora, mas não deveria levar à paralisia. Pelo contrário, há boas notícias incorporadas na nossa investigação que deverão galvanizar todas as partes interessadas: estimamos que o crescimento acelerado, a inovação liderada pelas empresas e os avanços tecnológicos poderão colocar o mundo a meio caminho de todos os objetivos.

O impulso atual não será suficiente. Precisamos proteger ativamente o crescimento de referência contra os ventos contrários e comprometer-nos a aumentar a produtividade através do investimento em tecnologia, novos negócios e desenvolvimento de competências. As oportunidades relevantes são inúmeras: inovações em inteligência artificial, tecnologia financeira, ciência biomédica, ciência dos materiais e muito mais podem contribuir para ganhos de produtividade, crescimento inclusivo e transição energética.

Se o crescimento acelerado criar empregos melhor remunerados e empregadores garantirem que seus trabalhadores têm as competências necessárias para preenchê-los, quase dois terços do déficit global de empoderamento poderá ser eliminado, com pouco mais de dois bilhões de pessoas cruzando a linha de empoderamento e mais 600 milhões escapando da pobreza. Entretanto, quase US10 trilhões em despesas com baixas emissões poderão tornar-se viáveis ​​para os atores privados até 2030. O crescimento econômico, juntamente com os avanços tecnológicos, poderá reduzir o déficit de investimento net-zero em cerca de 40%.

O que pode ser feito para fechar ambas as lacunas? Do lado do empoderamento, as opções incluem mais investimento em habitação acessível, cuidados com saúde e educação, bem como apoio direto às famílias vulneráveis. Do lado das emissões líquidas zero, um apoio público mais forte e políticas mais ousadas poderiam mobilizar uma quantidade ainda maior de capital privado, reduzindo ainda mais os custos das tecnologias de baixas emissões. No geral, os compromissos sociais que representam, em média, 2% do PIB global anualmente – US$ 20 trilhões cumulativamente – poderiam acabar com as duas lacunas até 2030, embora esses compromissos possam afetar negativamente a economia de base.

De qualquer maneira, mecanismos criativos de financiamento serão essenciais. As instituições multilaterais, em particular, precisam conceber novas facilidades para as economias em desenvolvimento – um esforço que seria reforçado por uma maior capitalização dessas instituições e por novas plataformas de intermediação de risco para ajudar a atrair capital privado. Outras soluções inovadoras – por exemplo, canalizar os excedentes do aumento dos preços da energia para investimentos verdes – também serão necessárias. Para tanto, o sistema financeiro global deverá encontrar formas inovadoras de acomodar grandes fluxos transfronteiriços.

O progresso será difícil e o preço será elevado. Mas os investimentos para preencher as lacunas de empoderamento e de investimento net-zero hoje levariam a um mundo mais próspero e estável. Talvez não haja recompensa mais valiosa.

Tradução de Anna Maria Dalle Luche, Brazil

https://prosyn.org/C7Z7Vqopt